Almanaque umdoistres

Abril 2023

Todas as publicações em  Almanaque umdoistres são de textos e imagens que circulam diariamente entre as milhares de Caixas de Entrada de grupos que compartilham e-mails entre si. O endereço umdoistres@umdoistres.com.br, desde 2003 faz parte de incontáveis Catálogos de Endereço no Brasil e exterior. Nada publicado aqui é de autoria de nossa equipe - salvo quando assinado.

Janeiro 2023  Fevereiro 2023  Março 2023  Abril 2023

    Almanaque 2022   Almanaque 2021   Almanaque 2020   Almanaque 2019   Almanaque 2018    Almanaque 2017  Almanaque 2016  Almanaque 2015    Almanaque 2014   Almanaque 2013  Almanaque 2012  Almanaque 2011   Almanaque 2010   Almanaque 2009   Almanaque 2008  

Ilusão de ótica: 9 fotos curiosas
Confira algumas fotos curiosas tiradas por internautas


Câmeras fotográficas.
Fotos curiosas. Não estamos mais na era da fotografia analógica, hoje qualquer pessoa de posse de um celular ou câmera digital pode registrar as mais diversas situações. Curiosas e engraçadas, as imagens a seguir exigem um olhar mais apurado a fim de desvendá-las. Confira.

1. Quando o seu cachorro tem cara de banana


O autor da fotografia encontrou um sósia incomum do seu cãozinho.

2. Bebê adulto pronto para dormir


Aqui vemos o que parece ser um bebezinho no corpo de um adulto.

3. A orelha desse cachorro parece ter vida própria


Aqui, o fotógrafo registrou o que parece ser um cão de duas cabeças.

4. Um ser humano transformando-se no seu próprio animal de estimação


Esse sujeito decidiu transformar-se num cão, ou terá sido o contrário?

5. Um pedaço de frango que parece um beija-flor


Nessa foto, o autor registrou o que parece ser uma lasca de frango sob a forma de um beija-flor.

6. A combinação perfeita


E aqui vemos a perfeita harmonia entre a tatuagem e o desenho da camiseta.

7. Sósias ou hologramas?


Três homens com a mesma aparência vestindo roupas semelhantes e sentados na mesma posição.

8. Uma banana gigante ou o resultado do trabalho de um artista talentoso?


Uma banana ou uma pintura?

9. Mãos trocadas


O casal parece ter trocado de mãos.


 

Fonte: https://revistaoeste.com/mundo/ilusao-de-otica-9-fotos-curiosas/

Como um golpe de marketing fez a fama
do cemitério mais visitado do mundo

Em "Paris, te Amo" (2005), de Wes Craven, uma das histórias do filme mostra um casal de turistas perdido no Père Lachaise à procura do túmulo de Oscar Wilde. É um roteiro clássico do cemitério, e se desse para contar quantas vezes a tumba foi beijada, uma mente empreendedora teria montado uma lojinha de cosméticos ao lado, se pudesse. Todos os anos, milhares de fãs deixavam marcas de batom na sepultura, até que uma barreira de vidro foi instalada, em 2014 (mas ela ainda deixa a parte superior da tumba à mercê dos beijos). A prática parece inocente, mas beijar de batom uma escultura é mais danoso do que pichá-la, porque a gordura presente no batom penetra na pedra, e a lavagem a desgasta e a deixa cada vez mais porosa. Quem bancou a barreira e as sessões de limpeza todos esses anos não foi a administração do cemitério nem nenhuma entidade governamental francesa, mas a agência responsável pela conservação de edifícios e obras públicas da Irlanda. Afinal, como se trata de um dos irlandeses mais famosos da história, a tumba é um assunto relevante para aquele país.

Foto aérea mostra o famoso cemitério de Paris.
 

Mas por que um escritor irlandês foi sepultado em Paris? São os efeitos da mística de 200 anos do cemitério mais visitado do mundo. Mais que isso, o Père Lachaise lançou os fundamentos do que entendemos hoje como um cemitério.

Imortais (que morrem)

Ser enterrado em um túmulo próprio, com direito a lápide, no terreno das igrejas, era privilégio de ricos católicos até a Revolução Francesa bater à porta, no fim do século 18. O resto do povo ia parar em valas comuns em cemitérios usados desde a Idade Média. Os pensadores iluministas já criticavam a prática, do ponto de vista sanitário e moral. Em 1780, o principal desses cemitérios, hiperlotado, foi fechado. As ossadas foram transferidas para as galerias subterrâneas que hoje compõem a outra grande atração turística alternativa de Paris, as Catacumbas.

Catacumbas de Paris, na França: quilômetros de depósitos de ossos.

Mas o problema dos mortos não estava resolvido, ainda mais com a onda de violência revolucionária dos anos seguintes, que deixou milhares de cadáveres pelo caminho. Foi então que, em 1804, ano em que foi coroado imperador, Napoleão Bonaparte ordenou a compra de uma grande área a leste da cidade. Nessa propriedade viveu, no século 17, o padre ("père") François de la Chaise, confessor de Luís 14. A ideia do novo cemitério era que todo cidadão, não importasse o credo, tivesse o direito a um enterro digno. Para isso, a cidade de Paris, e não a Igreja, que assumiu a responsabilidade da necrópole. O Père Lachaise seria um cemitério laico, com áreas reservadas para cristãos, judeus e, muçulmanos.

Cemitério Père-Lachaise, em Paris, França.


Tinha um problema. O Père Lachaise ficava um tanto longe do centro da cidade. São 3 quilômetros da Notre-Dame (a viagem de metrô, hoje, passa por 12 estações em 26 minutos), o que, na época, em uma Paris com meros 600 mil habitantes, era praticamente uma pequena viagem para 0 interior. Pouca gente queria ser enterrada naquela lonjura. Então, em um golpe genial de marketing, a administração do cemitério decidiu, ainda em 1804, transferir para lá os restos do poeta Jean de la Fontaine e do dramaturgo Molière. Começava ali, no ano um de sua história, a longa relação do Père Lachaise com ícones das várias artes.

Cemitério Père-Lachaise, em Paris, no outono: destino final de famosos e intelectuais.


Deu certo e, nas décadas seguintes, as pessoas queriam ser enterradas entre os famosos. O cemitério ganhou, além de tumbas impressionantes, monumentos em homenagem às vítimas das tragédias que se seguiram: as revoluções de 1848, a Segunda Guerra Mundial, o Holocausto. A fama do Père Lachaise correu o mundo, e os turistas queriam ver o local de repouso de seus ídolos - ou apenas de algum artista do qual ouviu falar vagamente. O site oficial lista 250 personalidades. Segundo o departamento de turismo parisiense, todos os anos 3,5 milhões de turistas visitam a necrópole.

O túmulto de Oscar Wilde (1854-1900) no cemitério Père Lachaise.


Como em muitos outros cemitérios-parques no mundo, no Père Lachaise é possível, além das esculturas e monumentos, admirar a vida selvagem. Segundo um artigo da publicação científica "Nature", esses lugares desenvolvem, com o tempo, uma biodiversidade invejável. O Père Lachaise é lar de cem espécies de aves, além de orquídeas e raposas. Muitas das sepulturas mais famosas são de estrangeiros que viviam em Paris quando seus corações pararam de vez. É o caso do compositor polonês Chopin, da escritora americana Gertrude Stein e do cantor americano Jim Morrison, vocalista do Doors, além do irlandês Oscar Wilde. Entre os franceses, é claro que há uma série de nomes célebres:
Marcel Proust, Georges Méliès, Édith Piaf, Sarah Bernhardt etc.

O túmulo do vocalista do The Doors, Jim Morrison, no cemitério Père Lachaise em Paris.


Mas o francês que possibilitou a criação do Père Lachaise, que fica no 20º arrondissement de Paris, não está lá. Napoleão tem um "cemitério" só para ele, um enorme monumento no complexo Les Invalides, no 7º arrondissement, uma área bem mais central de Paris.

 

Fonte: https://www.uol.com.br/nossa/noticias/redacao/2023/02/25/cemiterio-mais-famoso-do-mundo-deu-golpe-de-marketing-para-atrair-atencao.htm




                         Veja o que rolou nos grupos de WhatsApp