NO SUPERMERCADO

Por Alcindo Garcia*

Tem coisas que não dão certo. Citarei uma só, por experiência própria e, tenho certeza de que salvo honrosas exceções, a maioria vai concordar. Nós, maridos, fazendo compras no supermercado. O que a gente mais usa é o celular. Leva uma lista preparada pela mulher, indicando o que tem que trazer para casa. Ocorre que ele pega o carrinho de compras e vai percorrendo as alas das mercadorias em busca do que foi solicitado na lista. Primeiro da lista – Chicória. Única coisa que sabe é que fica no setor de “verduras”. Tudo misturado, chicória, alface, agrião, espinafre, etc. Saca o celular do bolso e faz a primeira ligação: “Que jeito que é chicória?” Onde estaria a bendita coisa. No celular: “Tá escrito escarola”. Passa uma moça e explica que é a mesma coisa. Pega o maço de chicória ou escarola e põe no carrinho. “Obrigado dona”. A mulher sai dando risada.
Um pacote de arroz da marca “Tio João”. Ele liga o celular de novo e indaga que tem dois tipos de “Tio João”, um é branco e outro é “meio pardo”. Recebe a informação da esposa: “É esse mesmo “meio pardo” chama-se arroz integral”. Tudo bem vai o pacote lá para o carrinho. Na lista: “trazer gelatina light sabor morango, pode apanhar uma caixa” Tira o celular e pergunta: “Vem em lata ou em vidro”? Recebe a informação de que “são caixinhas”. Passa um vendedor e coloca no carrinho a bendita gelatina light sabor abacaxi. “Não é esse, é sabor morango”? Questiona. Pelo menos nisso acertou. O moço, com boa vontade, troca a gelatina.
Continua percorrendo as alas com o carrinho em busca do leite sem lactose marca “Pirajussara”. Tira o celular: “Amor, não tem Pirajussara”. Resposta: “Não é Pirajussara, veja aí na lista – escrevi “Piracanjuba”. OK. Desliga o celular. Vai para o carrinho quatro caixas de leite Pirajussara, perdão “Piracanjuba”. Na lista “comprar mamão-papaia”. Coloca no carrinho meia dúzia de melões.
Carrinho cheio ele vai para o caixa. Tira o celular “Amor, que número é a senha do seu cartão? Estou colocando a senha do meu e não bate. A mulher informa. Paga a conta, vai com o carrinho até o estacionamento e põe tudo no porta-malas do carro. O plástico do quilo de tomate rasgou e espalhou tudo no porta-malas. Dá uma gorjeta para o manobrista. Volta para casa contente por ter ajudado a esposa. O que mais usou foi o celular: 15 ligações! Marido exemplar!

*Alcindo Garcia é Jornalista - e-mail; alcindogarcia@uol.com.br