BIG BROTHER

Por Alcindo Garcia*

Tiago Leifert começou na TV Vanguarda, afiliada da Globo em São José dos Campos, emissora do José Bonifácio Sobrinho, vulgo Boni que construiu artisticamente a Rede. Lamentavelmente a Globo vem danificando tudo de bom que foi construído. Suas novelas, pelos trailers que vejo, viraram verdadeiros lixos eletrônicos. Só mostram infidelidades, adultérios e além disso muita pornografia. O eficiente Tiago Leifert que obteve sucesso no esporte, teve a desdita de substituir o Pedro Bial para apresentar o Big Brother em sua recente edição. Se a pesquisa que eles mostram for correta, o dado é preocupante, pois revela o grau de QI dessa audiência cativa. Admitir que tais shows de realidade sejam hoje os de maior audiência no Brasil é reconhecer que não passamos de um bando de idiotas. Não acredito que o inusitado modelo rejeitado na Europa e nos Estados Unidos tenha toda essa audiência que propagam. Chego a duvidar dos índices divulgados pela emissora porque ainda acredito no bom senso.
Não vejo, mas segundo o noticiário, a coisa resume no seguinte. Nessa indigesta culinária - e com o perdão da comparação - coloca-se no mesmo curral um bando de antas que nada têm a dizer. Confina a patota naquela casa da mãe Joana com câmeras espalhadas pelas salas, quartos e banheiros e passam a registrar, além de cenas íntimas, todas as reações daquele agrupamento de antas. Os grunhidos são hipocritamente abafados por apitos, como se o telespectador fosse também uma anta, além de surda, desinformada.
Confinada na casa, a patota ensina: como perder a dignidade; como semear a discórdia; como faltar com a lealdade; e como tripudiar em cima do adversário em troca de um cachê. À medida que vão sendo eliminados, os dublês de artistas são convidados a dar entrevistas em programas de auditório, e o fazem como se fossem celebridades! Acreditam que já são astros e estrelas. Nisto a mídia impressa é co-responsável por ceder generosos espaços a essa gente. O sucesso relâmpago vai colocá-los no mesmo ostracismo de onde saíram e com a mesma rapidez com que tiveram seus minutos de glória. Logo ninguém mais se lembrará deles. O BBB é a mais nova versão do festival de besteira que assola este País. Se realmente dá ibope, é preocupante.


*Alcindo Garcia é Jornalista - e-mail:alcindogarcia@uol.com.br