Boi da Cara Preta

Por Professor Nelsinho*

Fiz uma consulta aos freqüentadores da Lanchonete Central e todos que ali estavam – por unanimidade- foram favoráveis ao deputado Feliciano Filho (PEN) que propôs “ a segunda sem carne,” no Estado. De antemão, não se trata de política. Falar de política, futebol e religião é um Deus nos acuda. Ninguém entende ninguém, ninguém concorda com ninguém. O deputado diz que a lei foi aprovada em 27/12, dependendo, agora, da sanção de Geraldo Alckmim. Não acredito que ele vá sancioná-la. Por trás dela há gente poderosa e, portanto, difícil que entre em vigor. A grita dos fornecedores de refeições a diversos órgãos estaduais, proibidos de fornecer carne e derivados às segundas-feiras, já se fazem sentir. A lei, afirma o deputado “ dará à população de São Paulo um dia por semana para pensar sobre a aflição dos animais nos abatedouros. Fui convencido assim. Os animais sofrem strees quando levados ao matadouro? Um amigo meu, pecuarista, mas humano, diz que os animais, obrigados a entrar na gaiola do caminhão para serem levados, resistem quanto podem e só entram pela violência e muita pancada. Parece incrível, mas eles sabem que serão levados ao sacrifício. Lá – isso é horrível – recebem forte golpe de marreta na cabeça, são elevados, ainda vivos, numa corrente esticada, e são desossados. Foi o que me informaram. Isso fere os direitos dos animais e o autores podem ser processados. O projeto estabelece que os estabelecimentos devem ter cardápio vegetariano, nesse dia, para gáudio das nutricionistas. A lei será cumprida?. A Folha esclarece que “ a segunda sem carne é adotada em diversas cidades do mundo e em Nova Yok 15 escolas públicas adotaram a idéia. Não acredito que a lei seja sancionada – e seria uma pena se não fosse mesmo- porque a agroindústria já ameaçou argüir a inconstitucionalidade da lei e se o relator for o Gilmar Mendes, os bois que se preparem. O matadouro causa terrível sofrimento aos animais, desde o momento em que são obrigados a entrar nas gaiolas, até o enfrentamento do corredor da morte. Mugem, pois é sua maneira de chorar, mas, pensando bem, um dia só sem carne, não os livrará do enorme sacrifício. Boi da cara preta, não assuste esta menina que tem medo de careta. Vocês entenderam bem a crônica. O deputado Feliciano quer que as segundas-feiras os estabelecimentos do Estado sejam proibidos de receber carne, até na merenda escolar. Apesar de sentir pouco efeito, estou com ele. Pelo menos é uma tentativa. Louvável. Pior é a morte prematura dos vitelos, boizinhos recém-nascidos. Não chegam a ver a luz do mundo. São golpeados e assassinados quando estão nascendo. E existe gente que aprecia, sorridente, este apetitoso repasto, sem se importar que eles têm direito a pelo menos um dia de vida. Um dia só.

*Nelson Henri - nelson.henri@uol.com.br.