CARGA TRIBUTÁRIA

Por Alcindo Garcia*

Começo por definir o que é Imposto. Embora já tivesse conhecimento achei prudente buscar no Aurélio. Está lá: substantivo aplicado para definir tributo, contribuição, ônus. Na definição de quem paga o imposto: uma imposição. Na linguagem popular “tem que pagar na marra”.
O imposto remonta aos tempos do Egito antigo. O povo tinha que pagar uma porcentagem para sustentar o Faraó. No Império Romano a dinheirama era para sustentar a luxuosa corte do Imperador. No Brasil tem uma música cuja letra diz: “tem que pagar pra nascer, tem que pagar pra viver, tem que pagar pra morrer”. Se não me engano é o Silvio Brito quem canta. No Brasil se comprar um carro, além do imposto para emplacá-lo, todo ano tem que pagar o IPVA para você dirigir o carro que você comprou. Se comprar uma casa ou um apartamento terá que pagar anualmente o IPTU para você ter o direito de morar na casa que você comprou.
E o Imposto de Renda? Este assusta o contribuinte. O que você ganhou com o suor do seu trabalho durante o ano todo vai ter que dar quatro meses ao governo. Contribuição que deveria ser revertida em favor da população oferecendo saúde, educação, segurança, etc. Veja o estado que estão as Santas Casas. Foram implantadas pelos portugueses no século passado com o nome de Santas Casas de Misericórdia. Misericórdia! Estão fechando por falta de verbas. Em hospitais públicos sucateados se vêem filas de pobres estendidos em macas pelos corredores Em qualquer país do mundo remédios são isentos de impostos para baratear o preço. No Brasil o governo taxa alto o tributo sobre remédios. Ainda bem que o José Serra, pensando nos pobres, criou os “Genéricos” e os “Populares”. Professores não ganham o que merecem. Parodiando a Rádio Jovem Pan é bom encerrar o assunto com o ditado “Brasil, o país dos impostos”.


*Alcindo Garcia é Jornalista - e-mail: alcindogarcia@uol.com.br