Comida Brasileira

Por Professor Nelsinho*

Quando minha companheira, logo ao se levantar, deixa minha cabeça num turbilhão quando pergunta: Sabe que dia é hoje? Pode ser aniversário dela, de algum cunhadinho ou cunhadão, da sogra, ou de algum convite para almoço na casa de algum desembargador ou deputado. Repete: sabe que dia é hoje? Evidente que vou titubear, fazer aquela cara de surpresa e qual Rolando Lero, também pergunto: Qual é o dia de hoje, mesmo? Sacana, não se lembra que hoje, 19 de outubro, é dia de meu aniversário ? Depois de lhe dar um beijo, disse que sim, que já encomendara o presentinho e tinha reservado uma mesa lá no Restaurante do Shoping, com um lauto cardápio. Logo que me afastei dela, liguei para o Florenzza e pedi a Ana Paula que mandasse um vestido bem chic ( ela sabe o tamanho) para a Alzira, pois era o aniversário dela. Ana atendeu e compreendeu minha ansiedade e duas horas depois um emissário entregou pacote contendo o presente. Alzira acreditou que lhe fora adrede preparado, o que não correspondia a verdade, mas tal não causou nenhum impacto a quem quer que seja. Enfim, o presente foi entregue. Apesar de ter dito que reservara uma mesa no Restaurante do Shoping, isso passou despercebido quando nos sentamos em umas das várias mesas preparadas para o almoço. Não havia necessidade de reserva. Ela comeu um bela panqueca acompanhada de arroz e eu, bife acebolado, com arroz e feijão. Comida brasileira. Não se falou nem se ouviu falar em caviar ou outra comida sofisticada, que a gente só conhece de nome. A maioria das comidas servidas no avião presidencial,tem nomes que a gente desconhece. Lá vocês encontrarão Guiche de Presunto, Sal Rosa do Himalaia, potes e mais potes de sorvetes. Comida frugal é a nossa, principalmente para quem tem diabetes, obrigado a uma dieta cruel. É preciso ter cuidado com ela, pois dois colegas meus foram para outra dimensão por causa da doença e um deles teve uma das pernas amputadas. Até nosso vigário, o Padre Zezão, amputou um dos pés, infeccionado por ela. Vade retro, diabetes. Abandonemos essas notícias desagradáveis e voltemos para a aniversariante. Ao lado de meu presente, recebeu outros, como um lindo ramalhete de flores, presente de seus funcionários. Além disso recebeu uma pulseira, made in Morana. Presente da Neide, velha conhecida e companheira que, depois de dez anos de Acre, retornou a casa. Neide saiu da cidade, como dizem, com as mãos abanando, mas voltou com algumas economias que fizeram sua independência. Foi para o Acre, casou-se, enviuvou e voltou com dinheiro. A aniversariante do dia 19 de outubro foi recepcionada pelos amigos com suculento churrasco nas dependências da AABB. Cantaram os parabéns e ela chorou de felicidade. A pergunta continua ressoando no ar? Sabe que dia é hoje? Para terminar, AABB precisava de um atacante. Depois de marchas e contramarchas, encontraram um, verdadeiro pesadelo dos pobres arqueiros. Só numa partida em Paraguaçu Paulista, contra os funcionários do Banco local, marcou quatro gols. Um fenômeno. No primeiro treino, sob a direção do Tite local, deram-lhe a camisa nove. Ele recusou alegando que viera apenas para alegrar os jogos.Era sanfoneiro. Ao invés do atacante, trouxeram um sanfoneiro. A diretoria merece críticas.

*Nelson Henri - nelson.henri@uol.com.br.