O LADO BOM DA NOTÍCIA

Por Alcindo Garcia*

Estamos atravessando uma fase difícil com a atual pandemia em relação aos noticiários da mídia tanto escrita como televisionada. Jornais, rádio e televisão buscam dar mais destaque do lado nebuloso do que o lado otimista da situação. A maior preocupação é revelar o número de mortos sem se preocuparem com os números de doentes curados. Chegam até a desenhar um mapa colorido onde a doença está em maior evidência sempre lembrando a quantidade de mortos no dia e o número de pessoas contagiadas em 24 horas.
Acho que o jornalismo tem sempre duas vertentes. O lado mal da notícia, mas em nome da coerência tem que mostrar também o outro lado. Isto me faz lembrar de quando fui assessor de imprensa da Secretaria da Justiça do Estado. Naquele tempo o sistema penitenciário era ligado à Pasta. Ainda não havia a Secretaria de Assuntos Penitenciários. A mídia só nos procurava quando havia rebeliões no sistema penitenciário. Fugas e assassinatos dentro das celas, etc. Foi aí que um dia visitei o Carandiru (Carandiru de triste memória) e descobri que lá dentro existia um laboratório farmacêutico que preparava remédios para todo o sistema penitenciário do Estado a preços irrisórios numa economia grandiosa para o Estado. Remédios que eram vendidos nas farmácias a R$10,00 saia por R$3,00. Fiz a matéria distribuindo fotos para a imprensa. Conclusão: ninguém sabia e no dia seguinte saiu em todos os jornais. Além disse, recebi um telefonema de uma repórter da TV Globo do Rio querendo fazer uma pauta sobre o assunto e mandaria a equipe para São Paulo.
À noite o maior jornal da Globo publicou essa notícia, entrevistando o secretário da Justiça. Todo o Brasil ficou sabendo: milhares de presos do sistema tinham remédios muito mais em conta do que o mercado farmacêutico fornecia. Desde então, descobri o que jornalismo tem que mostrar também o outro lado. O lado positivo da notícia.

*Alcindo Garcia é Jornalista - e-mail:alcindogarcia@uol.com.br